Botão Google Seguindo Hélio

Botão Google Mais Compartilhar

Botão Twitter Seguir

Botão Facebook Curtir

Botão Twitter Compartilhar

Seguidores

Translate

O que é um ano-luz? | Minuto Ciência

Digital clock

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Um olhar sobre Futuro da Via Láctea

Caro Leitor(a),

Temos cerca de 4 bilhões anos antes da galáxia da Via Láctea não é mais. Estamos em rota de colisão com o nosso vizinho mais próximo, Andromeda, e agora, graças a pesquisadores com o Centro Internacional para Radio Astronomy Research-temos uma idéia atualizado o que esse acidente galatic pode parecer.

No vídeo acima pesquisadores mostram uma simulação de computador deste aspecto perfeitamente natural da vida como uma galáxia. Para ser uma galáxia é crescer e, ocasionalmente, para comer ou ser comido por outras galáxias.

Neste momento, a Via Láctea e Andrômeda são cerca de 2,5 milhões de anos-luz de distância. Eles estão acelerando em direção um ao outro em centenas de milhares de quilômetros por hora.
Tem algo a dizer? Deixe-nos saber na seção de comentários ou envie um e-mail para o autor . Você pode compartilhar idéias para histórias por entrar em contato conosco aqui .


• Se você gostou deste artigo, por favor compartilhar e comentar isso.
• Se este vídeo será removido, por favor contacte-nos . 

- See more at: http://www.cosmosup.com/a-look-at-the-milky-ways-future/#sthash.FRhgBhSs.dpuf



“O conhecimento torna a alma jovem, pois, colhe a sabedoria”.


Obrigado pela sua visita e volte sempre!


Hélio R.M.Cabral (Economista, Escritor e Pesquisador Independente das Ciências: Espacial; Astrofísica; Astrobiologia e Climatologia, Membro da Society for Science and the Public (SSP) e assinante de conteúdos científicos da NASA (National Aeronautics and Space Administration) e ESA (European Space Agency.






quinta-feira, 22 de junho de 2017

Corrosão de Metais

Caro Leitor(a),

Corrosão é o processo de degradação de metais provocada por reações de oxirredução. Uma reação de oxirredução é aquela na qual ocorrem ganho (redução) e perda de elétrons (oxidação) entre os átomos do sistema. 
De modo geral, o principal causador da corrosão é o oxigênio. Isso ocorre porque esse elemento é um não metal, logo, tende a ganhar elétrons, enquanto os metais tendem a perder elétrons. Isso nos permite entender que, numa reação de oxirredução, os metais têm a tendência de perder elétrons para o oxigênio.

A Ferrugem
O exemplo mais característico de corrosão é a oxidação do ferro, mais conhecida como ferrugem em linguagem popular. O ferro é facilmente oxidado quando posto em contato com o ar e a umidade. No processo de formação da ferrugem ocorrem as seguintes reações:

Observe que a água (H2O) e o oxigênio (O2) participaram dessas reações, uma vez que são agentes essenciais para a formação da ferrugem: sem a presença de ambos, não há oxidação do ferro. A água é necessária nesse processo porque dissolve os íons, o que promove maior fluxo de elétrons, facilitando a formação da ferrugem. Esse é um dos motivos pelo qual os objetos de ferro enferrujam mais rapidamente em locais próximos ao litoral.

Além do oxigênio presente no ar e da umidade, outros fatores também aceleram a formação da ferrugem, embora não sejam capazes de provocá-la isoladamente. A presença de sais no ambiente, como é o caso do mar e entornos, por exemplo, aumenta a condutividade elétrica, acelerando a oxidação do ferro. O monóxido de carbono (CO2), o dióxido de enxofre (SO2) e outros compostos ácidos presentes no ar também aceleram a formação de ferrugem porque deslocam a reação de oxidação para a direita.

Outros exemplos de corrosão de metais
Quando falamos em corrosão, logo nos lembramos da ferrugem, pois é o processo mais comum em nosso dia a dia. Mas, além do ferro, muitos outros metais (e ligas metálicas) também estão sujeitos à corrosão:
  • Objetos de prata, com o passar do tempo, tendem a escurecer porque a prata metálica (Ag(S)) reage com o gás sulfídrico (H2S) presente no ar e produz o sulfeto de prata (Ag2S). Essa substância tem cor preta e forma uma camada superficial que confere um aspecto escurecido à prata.
  • Quando exposto ao ar e à umidade, o latão (liga metálica de cobre e zinco) é oxidado, o que faz surgir manchas em sua superfície. A reação do cobre do latão com o oxigênio, o gás carbônico e a umidade do ar produz diversas substâncias que formam uma película esverdeada denominadaazinhavre, responsável pelas manchas dos objetos dessa liga metálica. Esse fato ocorre também com outros objetos de cobre ou de ligas metálicas desse elemento.

Consequências e ações contra a corosão
A corrosão pode causar muitos prejuízos, especialmente do ponto de vista econômico.  Hoje se estima que cerca de 20% do ferro produzido por ano no Brasil seja destinado à recuperação de objetos que já enferrujaram. Além disso, muitos acidentes podem ocorrer devido à corrosão de objetos metálicos, como é o caso do acidente no Maracanã em 1992. Com o impacto causado pelos torcedores, parte da grade de proteção da arquibancada do estádio desabou porque a estrutura que segurava a grade estava corroída. O acidente teve vítimas fatais e alguns torcedores ficaram gravemente feridos.

Por causa de prejuízos como esses, é muito importante que os metais sejam protegidos da corrosão. Uma maneira muito comum de preservar os metais é pintá-los com tintas adequadas. Uma boa aplicação da tinta forma uma camada protetora que impede a exposição do metal ao ar e à umidade.

Outra forma de proteção é o revestimento de objetos metálicos com outro metal de maior capacidade de oxidação. Com isso, o metal do revestimento se oxida antes do metal revestido, o que faz com que o segundo demore mais para começar a oxidar. Por desempenharem essa função, os metais usados para revestimento são chamados de metais de sacrifício.

As chapas de aço são frequentemente protegidas com finas películas de zinco, originando as conhecidaschapas galvanizadas. Para obter essas películas, as chapas de aço são mergulhadas em zinco fundido ou se deposita o zinco sobre o aço através de eletrólise. O zinco é mais reativo e, por isso, evita a corrosão.

Referências bibliográficas
FELTRE, Ricardo. Química volume 2. São Paulo: Moderna, 2005.
USBERCO, João, SALVADOR, Edgard. Química volume único. São Paulo: Saraiva, 2002. 
Por: Mayara Lopes Cardoso

Veja também:



“O conhecimento torna a alma jovem, pois, colhe a sabedoria”.


Obrigado pela sua visita e volte sempre!


Hélio R.M.Cabral (Economista, Escritor e Pesquisador Independente das Ciências: Espacial; Astrofísica; Astrobiologia e Climatologia, Membro da Society for Science and the Public (SSP) e assinante de conteúdos científicos da NASA (National Aeronautics and Space Administration) e ESA (European Space Agency.







quarta-feira, 21 de junho de 2017

Informações Tecnologias

Caro Leitor(a),


Físicos estudam buracos negros na banheira

E deu certo. O experimento conseguiu comprovar um fenômeno conhecido como superradiância.    Leia mais...

Robôs virtuais melhoram desempenho dos humanos

Experimentos demonstram que mesmo uma "inteligência artificial estúpida" pode ajudar grupos humanos.    Leia mais...

Indústria de borrachas e plásticos pode se tornar sustentável

"Esta pesquisa poderá transformar as bilionárias indústrias de plásticos e borracha."    Leia mais...

Broca ultrassônica destrói coágulos da trombose

A técnica não-invasiva também dispensa a aplicação de medicamentos diluidores do sangue, que podem causar complicações.    Leia mais...

Vêm aí as culturas epigeneticamente modificadas

Está inaugurada a categoria dos OEM, organismos epigeneticamente modificados, em contraposição aos OGM, organismos geneticamente modificados.    Leia mais...

Quasicamadas eletromagnéticas abrem caminho para hardware reconfigurável

São camadas monoatômicas cujas propriedades podem ser ligadas, desligadas e até movidas ao longo do material.    Leia mais...

Descoberto componente fundamental para telas controladas sem toque

Com o fotocapacitor, abre-se o caminho para telas controladas por luz, sem que você precise tocar nelas.    Leia mais...

Gerador de oxigênio atômico simula fenômeno que destrói naves

É um tipo de oxigênio encontrado apenas na órbita da Terra, conhecido por corroer satélites e naves espaciais.    Leia mais...

Embrapii e Sebrae abrem linha de crédito para inovação nas pequenas empresas

Governo planeja Estratégia Digital Brasileira

Brasil ganha prêmio por projeto voltado a desastres naturais

Itaipu inaugura primeira fábrica brasileira de biometano

Ondas gravitacionais são detectadas pela terceira vez

Plano de ação definirá esforços do Brasil em pesquisa oceânica

Brasil na zona do rebaixamento em ranking de competitividade

Casimira de cabras brasileiras seria a melhor do mundo - se fosse feita

Fim dos subpíxeis RGB promete multiplicar a resolução das telas

Luz se torna superfluida a temperatura ambiente

Físicos estudam buracos negros na banheira

NASA quer céus repletos de drones autônomos

Descoberto componente fundamental para telas controladas sem toque


Robôs virtuais vão controlar fábrica digital do futuro

Fonte: Inovação Tecnológica


“O conhecimento torna a alma jovem, pois, colhe a sabedoria”.


Obrigado pela sua visita e volte sempre!


Hélio R.M.Cabral (Economista, Escritor e Pesquisador Independente das Ciências: Espacial; Astrofísica; Astrobiologia e Climatologia, Membro da Society for Science and the Public (SSP) e assinante de conteúdos científicos da NASA (National Aeronautics and Space Administration) e ESA (European Space Agency.






segunda-feira, 19 de junho de 2017

Temperatura efetiva da estrela

Caro Leitor(a),

temperatura efetiva de uma estrela é a temperatura de um corpo negro de mesma luminosidade por área de superfície (\mathcal{F}_{Bol}) que a do corpo celeste em questão, de acordo com a Lei de Stefan-Boltzmann \mathcal{F}_{Bol}=\sigma T_{eff}^4. Observe-se que a luminosidade total (bolométrica) de uma estrela é então de L=4 \pi R^2 \sigma T_{eff}^4, onde R é o raio estelar. A definição do raio estelar não é obviamente direta. De forma mais rigorosa, a temperatura efetiva corresponde a temperatura no raio que é definido pela profundidade óptica Rosseland. A temperatura efetiva e a luminosidade bolométrica são dois parâmetros físicos fundamentais necessários para situar uma estrela no diagrama HR. Tanto a temperatura efetiva quanto a luminosidade bolométrica dependem da composição química da estrela.
A temperatura efetiva do Sol é de cerca de 5780 kelvins (K). Realmente, as estrelas têm um gradiente de temperatura, que vai do núcleo central até a camada mais exterior. A temperatura do núcleo do Sol, onde ocorrem as reações nucleares, é calculado em 15.000.000 K.
índice de cor de uma estrela indica sua temperatura, das frias (pelos padrões estelares) estrelas vermelhas classe M, que emitem fortemente no infravermelho, até o azul profundo das estrelas O, que irradiam em larga escala no ultravioleta. A temperatura efetiva de uma estrela indica o montante de calor que a estrela irradia por unidade de área de superfície. Das superfícies mais quentes para as mais frias foi montada a seqüência de tipos estelares O, B, A, F, G, K, e M (que os astrônomos costumam decorar com o mnemônico Oh Be A Fine Girl, Kiss Me!; quando ainda eram usadas as classes R, N e S, acrescentava-se Right Now Sweetheart à frase)[1] .
Uma estrela vermelha pode ser úma diminuta anã vermelha, uma estrela de baixa produção de energia e pequena superfície ou uma gigante ou mesmo supergigante tal como Antares ou Betelgeuse, as quais geram muito mais energia, mas através de uma superfície tão vasta que irradiam muito menos por unidade de área de superfície. Uma estrela no meio do espectro, tal como o modesto Sol ou a gigante Capella irradiam mais calor por unidade de superfície do que as fracas anãs e supergigantes vermelhas, mas muito menos do que estrelas azuis como Vega ou Rigel.
A temperatura efetiva de um planeta pode ser calculada comparando a energia recebida pelo planeta com a energia emitida por um corpo negro de temperatura T.
Seja o caso de um planeta a uma distância D da estrela, de luminosidade L.
Assumindo que a estrela irradie isotropicamente e que o planeta esteja distante da estrela, a energia absorvida pelo planeta é dada tratando o planeta como um disco de raio r, o qual intercepta algo da energia que é espalhada sobre a superfície de uma esfera de raio D. Também concedemos que o planeta reflita algo da radiação incidente incorporando um parâmetro denominado albedo. Um albedo de 1 significa que toda a radiação é refletida, e um albedo de 0 significa que toda ela é absorvida. A expressão para energia absorvida é:
P_{abs} = \frac {L r^2 (1-A)}{4 D^2}
A próxima pressuposição a ser feita é que o planeta inteiro está na mesma temperatura T, e que o planeta irradie como um corpo negro. Isto resulta na expressão para a energia irradiada pelo planeta:
P_{rad} = 4 \pi r^2 \sigma T^4
Igualando estas duas expressões e rearranjando-as, obtemos uma expressão para a temperatura efetiva:
T = \left (\frac{L (1-A)}{16 \pi \sigma D^2} \right )^{\tfrac{1}{4}}
Observe-se que o raio do planeta é neutralizado no final da expressão.
A temperatura efetiva de Júpiter é de 112 K e 51 Pegasi b (Bellerophon) é de 1258 K. A temperatura real depende do albedoatmosfera e calor interno. A temperatura real por análise espectroscópica para HD 209458 b (Osíris) é 1130 K, mas a temperatura do corpo negro é de 1359 K. O calor interno de Júpiter com a a temperatura efetiva de 112 K resulta num total de 152 K como temperatura real.
Referências
Ligações externas[editar | editar código-fonte]
·         O corpo negro - Exemplos
·         Astronomia estelar
·         Planetologia


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

“O conhecimento torna a alma jovem, pois, colhe a sabedoria”.


Obrigado pela sua visita e volte sempre!


Hélio R.M.Cabral (Economista, Escritor e Pesquisador Independente das Ciências: Espacial; Astrofísica; Astrobiologia e Climatologia, Membro da Society for Science and the Public (SSP) e assinante de conteúdos científicos da NASA (National Aeronautics and Space Administration) e ESA (European Space Agency.







terça-feira, 13 de junho de 2017

Surpresa química de manto profundo, conteúdo de carbono não uniforme

Caro Leitor(a),

·         Comunicados de Imprensa
·         Notícias do Carnegie
·         Publicações / Permissões
·         Cobertura de mídia
·         Multimédia (vídeo e áudio)
·         Contatos de mídia
·         Lista de Especialistas
·         Anuários
·         Carnegie Newsletter
·         Projeto Carnegie Legacy
·         Banco de dados de imagens
Sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

  
Mesmo que o carbono seja um dos elementos mais abundantes na Terra, na verdade é muito difícil determinar quanto dele existe abaixo da superfície no interior da Terra. A análise de Marion Le Voyer e Erik Hauri, de Carnegie, de cristais contendo magma do manto completamente fechado com seu conteúdo de carbono original preservado dobrou as descobertas conhecidas do mundo do carbono do manto. Os resultados são publicados na Nature Communications.

Em geral, há muito sobre a química do carbono que ocorre abaixo da crosta terrestre que os cientistas ainda não entendem. Em particular, a quantidade de carbono no manto da Terra tem sido objeto de debate quente por décadas. Este tópico é de interesse porque a quantidade de carbono presente no manto sustenta os processos geológicos do nosso planeta, incluindo desencadear a atividade vulcânica e sustentar a biosfera. Ela também afeta nossa atmosfera quando gás de dióxido de carbono é liberado por erupções; As erupções vulcânicas desempenharam um papel importante nas variações climáticas pré-históricas.

Mas é difícil medir a quantidade de carbono que existe abaixo da superfície da Terra. Os cientistas podem estudar as rochas ígneas que se formaram quando o manto derrete, chamado magma, subiu à superfície, erupted como a lava, e endureceu outra vez para criar uma rocha que seja chamada basalto. No entanto, o processo de ascensão e erupção libera quase todo o carbono do magma como gás dióxido de carbono, o que torna as rochas basálticas erupcionadas pobres indicadores da quantidade de carbono que estava nos magmas de onde eles se formaram.

"É assim que as erupções explosivas acontecem", explicou Hauri. "A súbita perda catastrófica de gás que, antes da erupção, foi dissolvido no magma em alta pressão, mas durante a erupção não tem outro lugar para ir, não deixando nenhum rastro pós-erupção no basalto endurecido da quantidade de carbono uma vez presente.

Mas Le Voyer, Hauri, e sua equipe analisaram algumas amostras de basalto do cume equatorial médio-atlântico que continham pequenas inclusões magmáticas previamente estudadas, pequenos bolsões de magma puro completamente aprisionados dentro de cristais sólidos que os protegiam da desgaseificação durante a ascensão e erupção do magma . A análise mostrou que estas inclusões tinham aprisionado o seu conteúdo de carbono original antes de serem erupcionadas no fundo do mar.

"Esta é apenas a segunda vez que amostras de magma contendo seu conteúdo de carbono original já foram encontradas e analisadas, dobrando nosso conhecimento da química de carbono da região", disse Hauri.

As primeiras amostras contendo seu carbono original também foram reveladas no Carnegie, por Hauri e Brown University professor Alberto Saal, em 2002. Essas amostras vieram do Pacífico no fundo do mar. Comparação dos dados para estas duas amostras revelou que o teor de carbono do manto é muito menos uniforme do que os cientistas tinham previsto anteriormente, variando em até duas ordens de grandeza em diferentes partes do manto.

"Nossa descoberta que o carbono do manto tem uma distribuição mais complexa do que previamente pensado tem muitas implicações para como os processos do envoltório podem variar pela posição," adicionado Le Voyer, que conduziu esta pesquisa como um postdoc em Carnegie e está agora na universidade de Maryland.


Uma das inclusões de fusão contendo magma manto completamente fechado com o seu teor de carbono original preservada estudado por Hauri e Le Voyer neste trabalho.

  
Cristais de olivina contendo inclusões de fusão (as manchas escuras no interior), provenientes da arc Mariana. Estes cristais não faziam parte deste estudo, mas ilustram o que as inclusões de derretimento se parecem. 
__________________
Este trabalho foi apoiado pelo Observatório de Carbono Profundo, Carnegie, e pela Smithsonian Institution.

A National Science Foundation apoiou a curadoria das amostras geológicas marinhas da Universidade de Rhode Island. 

Área Científica: 

Referência à pessoa: 




“O conhecimento torna a alma jovem, pois, colhe a sabedoria”.


Obrigado pela sua visita e volte sempre!


Hélio R.M.Cabral (Economista, Escritor e Pesquisador Independente das Ciências: Espacial; Astrofísica; Astrobiologia e Climatologia, Membro da Society for Science and the Public (SSP) e assinante de conteúdos científicos da NASA (National Aeronautics and Space Administration) e ESA (European Space Agency.